Fotografias Multimédia Sociedade

Ir à vindima ao Douro

É manhã, o sol ainda mal nasceu, mas cedo se começa o dia. Um dia que se prevê árduo, como todos os outros para quem faz da agricultura vida. É também altura de vindimas no Douro, o culminar de um ano de trabalho.

Pouco passa das 7 da manhã. Balde , tesoura, chapéu, luvas e claro está a merenda onde não falta o chouriço, o pão caseiro e um bom vinho para motivar.

Foto: Vanessa Pereira

Ir à vindima é sinónimo de muito trabalho, mas é também sinónimo de alegria. À medida que se cortam as uvas fala-se de tudo um pouco. Há sempre alguém que está atualizado das principais notícias, promove-se, então, um debate no meio dos vinhedos, cada um tem uma palavra a dizer sobre qualquer assunto.

Critica-se o que vai mal no país, fala-se de saúde, política, arranjam-se soluções para quase todos os problemas, a coisa até vai bem e, a dada altura, uma voz se levanta e diz uma frase que é quase como música para os ouvidos de quem trabalha: “Vamos lá à bucha!”. A “bucha” é a palavra mais rápida para dizer: “Tenho fome, vamos comer!” – trata-se de um pequeno almoço, que de pequeno não tem nada, na verdade.

Às 10 horas da manhã todos param, procuram uma boa sombra, sentam-se nas pedras mais confortáveis – sim, porque existem pedras mesmo confortáveis – para servir de banco e recarregam-se as energias.

Baterias carregadas, de volta ao valado, colher o que ainda lá ficou. E a festa continua. Silêncio é coisa que não existe, as conversas cruzam-se… Depois, há sempre um artista que aproveita o momento para contar as anedotas mais engraçadas de que se lembra.

Foto: Vanessa Pereira

Passaram quase três horas desde que se comeu a primeira “bucha”, é altura do almoço. Agora, a pausa é mais longa, o calor já começa a apertar e não é fácil. As águas geladas já não estão tão frias assim, mas interessa é repor o líquido.

Alguém se encosta numa árvore e quase adormece. É então que a mesma voz imponente decide: “Vamos lá, pessoal!”. Desta vez, e até por volta das 16 horas, não há pausa, a maior parte anda com as garrafinhas de água atrás, ou de vinho… caso contrário, elege-se sempre uma pessoa que passa mais tempo a ir à ponta buscar a bebida do que propriamente a cortar as uvas.

Ninguém reclama. Afinal, estão todos bem, já cortaram quase seis pipas uvas e o dia está a terminar, é a melhor parte. Voltar a casa, tomar um banho, descansar, que bem merecem, porque amanhã é outro dia… e as vindimas estão quase a terminar.

Se gostaram, partilhem e sigam-nos!

Newsletter

Novembro 2018
S T Q Q S S D
« Out    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Agenda Cultural

Agenda Cultural

Eventos Jornal Referência

Últimas Notícias

prev next

5 days ago

Jornal Referência
View on Facebook

Redes Sociais

RSS
jornalreferencia@sapo.pt
Facebook
Facebook
YOUTUBE
INSTAGRAM
SOCIALICON
SOCIALICON

Arquivo