Entrevistas Especial Inovação Sociedade

Estudante da FEUP foi único português a vencer concurso europeu sobre logística

Foto: Diogo Cunha | YouTube/The Smart Logistics Challenge

Diogo Cunha é aluno da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) e foi o único português de seis vencedores do concurso da Federação Europeia de Movimentação de Materiais (FEM) “The Smart Logistics Challenge”. O Jornal Referência esteve à conversa com o estudante para tentar perceber um pouco mais sobre o seu projeto e o funcionamento da competição.

Aos 19 anos e a frequentar atualmente o segundo ano do curso de Gestão Industrial na FEUP, Diogo decidiu lançar-se na sua área e participar num concurso em que pudesse, “sobretudo, aprender” e saber mais sobre o que o futuro profissional lhe pode reservar.

Através do webmail da faculdade, o estudante teve conhecimento do “The Smart Logistics Challenge”, um concurso europeu sobre logística e manuseamento de materiais, que decorreu durante este ano. Este concurso, dividido em várias fases e designado para estudantes universitários da Europa, pressupõe a criação de soluções inovadoras tecnológicas e/ou de negócio, dentro de um de três temas: e-comércio, cooperação entre robôs e pessoas na área de logística 4.0 e logística numa Economia Partilhada.

A ideia

O projeto de Diogo, denominado “How a Digital Network can increase the scope of opportunities in the Business World (“Como uma rede digital pode aumentar a extensão de oportunidades no mundo dos negócios”), insere-se na secção da Economia Circular. Consiste numa aplicação que pretende envolver várias empresas de manuseamento de materiais (por exemplo, de transporte e de armazenamento) e, “através de saber os seus interesses e as suas necessidades, conseguir juntá-las, quase como se fosse uma rede social”, explicou Diogo.

Através dos princípios da Economia Partilhada, esta aplicação aproveita aquilo que há em excesso, neste caso, o potencial desperdiçado (como espaço de armazenamento que não está a ser ocupado, veículos de transporte inativos, ou até mesmo mercadorias que não são usadas). Além disso, é uma forma alternativa de obter o que as empresas necessitam sem haver retribuição em dinheiro e sim com a oferta de serviços, bem como é um segundo canal para vender um serviço ou promover uma marca.

 

Para Diogo, esta tecnologia, além de permitir informar seletivamente outras empresas, consegue “melhorar a rapidez com que a informação é disponibilizada”, o que se reflete, mais tarde, em “agir em tempo real”.

Os custos para implementação da ideia são “reduzidos”, uma vez que estão envolvidas apenas despesas da criação da aplicação (cerca de 20 mil euros), mais a contratação de programadores, de ter uma base de dados e um servidor ativo e da manutenção – cerca de dois mil euros por mês.

“É uma ideia que acho bastante disruptiva”, explicou Diogo, referindo que gostaria de vê-la em prática, mas que, “da maneira como a economia funciona atualmente”, é “difícil” de implementar.

Um dos entraves que irá ser ultrapassado à medida que a tecnologia evolui está na legislação relativa à segurança das informações que são partilhadas. Uma vez que a aplicação terá acesso a muitos dados sobre as empresas, é necessário, por exemplo, ter a certeza que a encriptação dos dados é feita corretamente e saber quem é o responsável caso haja alguma intromissão não desejada.

O prémio

Houve seis vencedores do Grande Prémio, provenientes da: Dinamarca, Espanha, Holanda, dois de França e um de Portugal. O júri era composto por representantes de algumas das empresas líderes na área da logística e do manuseamento de materiais e por um representante da FEM.

O prémio em questão incluía: uma viagem VIP até à Antuérpia (Bélgica), onde se realizou o Congresso FEM, nos dias 13 e 14 de setembro; um almoço e jantar com os CEO’s das empresas líderes desta indústria; e uma tour exclusiva pela cidade; além de um estágio pago de seis meses numa dessas empresas.

Entre julho e setembro, houve outra votação, mas online (TrendSpotter Award), para escolher os melhores trabalhos, cujos vencedores também tiveram acesso à viagem e participação do congresso, almoço e jantar com os CEO’s e visita à cidade.

As aprendizagens

Após a primeira submissão do projeto, os finalistas desta competição puderam limar algumas arestas dos trabalhos com a ajuda e partilha de conhecimento de mentores (representantes de algumas das empresas que lideram a área da logística). Apesar da diferença de idades em relação aos mentores, Diogo sublinhou que “estava bastante à vontade e foi muito bom estar em contacto tão direto com pessoas, digamos, importantes”.

“O que eu queria mesmo era ganhar experiência numa área mais concreta que talvez tivesse aplicabilidade mais tarde”, referiu Diogo ao Jornal Referência, acrescentando que nunca teve “este tipo de experiência, por isso, foi mesmo uma mudança de mundo”. O estudante da FEUP revelou que, embora não se queira limitar apenas a esta área porque ainda não conheceu todas as outras opções, a “experiência foi ótima para me orientar” no sentido de este ser um possível caminho.

Se gostaram, partilhem e sigam-nos!

Newsletter

Novembro 2018
S T Q Q S S D
« Out    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Agenda Cultural

Agenda Cultural

Eventos Jornal Referência

Últimas Notícias

prev next

4 days ago

Jornal Referência
View on Facebook

Redes Sociais

RSS
jornalreferencia@sapo.pt
Facebook
Facebook
YOUTUBE
INSTAGRAM
SOCIALICON
SOCIALICON

Arquivo